Terça-feira, 18 de Julho de 2006

O Riso da Formiga, o Sonho do Mosquito e a Agonia da Cigarra

 

 

 

O que estará em jogo nas eleições presidenciais do dia trinta de Julho será a consolidação, ou não, do fim de um ciclo político que marcou indelevelmente a história de S.Tomé e Príncipe nos últimos trinta anos. Este ciclo político caracterizado pela influência hegemónica do MLSTP/PSD, em todos os sectores da nossa vida colectiva, e pelos instintos, sensibilidades, experiências e carismas de Miguel Trovoada e Pinto da Costa estará, tendencialmente, condenado a desaparecer ou diluir a sua expressão, nos efeitos decisivos que fazia emergir, designadamente, na preparação e desenvolvimento das decisões políticas em S.Tomé e Príncipe.

Ganhando Fradique de Menezes este cenário, de consolidação do fim do ciclo político anterior, confirma-se completamente, até porque o próprio:

a)     é um produto inacabado e frustrado da tentativa de prolongamento do ciclo politico anterior, por sua inteira rebeldia, objectivos políticos e pessoais, e quererá, com tal, robustecer o seu poder e influência local;

b)    implementou, assumiu a paternidade e levou por diante, um projecto de ruptura com o ciclo político anterior, prosseguindo o seu caminho de afirmação política, criando alicerces ou instrumentos de intervenção política e social que foi consolidando ao longo dos tempos.

É óbvio que a partir deste cenário percebe-se a necessidade que o Fradique tinha de, no “plano afectivo”, “matar o pai” e, no plano político e institucional,  ir afrontando os sucessivos governos de unidade nacional e/ou do MLSTP/PSD, concordando-se ou não com este comportamento. Eu, por exemplo, nem sempre concordei e fiz-lhe muitas críticas por isso mesmo. Ou seja, Fradique “trabalhou e esforçou-se”, afincadamente, na época das chuvas e, qual formiga, agora, ri e descansa na gravana. Resta, no entanto, saber se este novo ciclo político virá acompanhado de um novo paradigma que permita o desenvolvimento do país, e de reformas, (sobretudo da natureza politica, organizacional e metodológica inter e intra-partidária) que possam atenuar alguns aspectos negativos do ciclo político anterior.

Patrice Trovoada tenderá a polarizar com Fradique de Menezes nestas eleições, até, porque conta com apoios dos dois ex-presidentes da República como fez questão de enfatizar na conferência de imprensa – por alguma razão minimizou a importância dos respectivos partidos políticos – e tem meios financeiros e materiais que suportam tal ambição. Por isso, tal como os mosquitos, perdendo ou ganhando na gravana, Patrice tem todas as condições para sonhar alto na época das chuvas que está para chegar. Dificilmente haverá DDT, repelentes ou mosquiteiros que resistirão a trovoada de mosquitos que virá a seguir. Mesmo perdendo as eleições de trinta de Julho, e tendo conseguido polarizar com Fradique de Menezes, Patrice Trovoada será encarado, a partir desta altura, como o maior político da sua geração, tendo em conta a cultura politica predominante no país que favorece um estímulo crescente para a personalização da competição política e eleitoral em detrimento da imagem partidária. É neste contexto, entretanto, que a trovoada em causa abanará a estrutura da cigarra, (perdão, da actual direcção do MLSTP/PSD) com custos incomensuráveis para o referido partido. Tal como as cigarras, a direcção actual do MLSTP/PSD andou a cantar na época das chuvas e, agora, na gravana, entrará em agonia se, entretanto, Patrice Trovoada não ganhar as eleições de trinta de Julho, sobretudo por cinco ordens de razões:

a)     por ironia do destino, tendo o MLSTP/PSD realizado recentemente um congresso de renovação que culminou com a saída do Pinto da Costa da direcção do partido, seja o próprio partido a patrocinar uma candidatura que ensaie e promova o prolongamento do ciclo político anterior, em contradição com a filosofia de renovação saída do referido congresso, excluindo, no entanto, o próprio Pinto da Costa, ou qualquer delfim seu, neste carrossel de influências;

b)    sendo o MLSTP/PSD o partido maioritário na oposição aparece, aos olhos dos seus eleitores e da maioria dos Santomenses, em condições de subalternidade política, estratégica e vocação orgânica, despido de uma explicação racional, objectiva, transparente e compreensível para o referido caso;

c)     tendo o MLSTP/PSD, no seu seio, jovens quadros ambiciosos, que fizeram uma carreira em ascensão, estes aspirariam ter condições políticas que o partido em causa oferece, agora, ao Patrice Trovoada criando condições para que o eventual fracasso eleitoral, nestas eleições, forneça mais combustível para críticas de alguns sectores do partido em causa;

d)    a construção da actual coligação fornece mais riscos – para a diluição da identidade do MLSTP/PSD por exemplo – se, pelo contrário, fosse feita anteriormente à realização das eleições legislativas, não obstante os benefícios advindos da mesma, no caso de uma vitória, superar os referidos riscos;

e)     problemas, relacionados com o equilíbrio do poder entre as diversas facções que constituem o partido, poderão vir ao de cima de acordo com o resultado – uma derrota -  do pleito eleitoral em causa e o comportamento do partido na condução do referido processo eleitoral.

Todos sabemos que a construção de coligações não se faz sem riscos, mas, estes riscos seriam minimizados se o partido em causa – e a generalidade dos partidos do nosso país – não existisse, momentaneamente, somente: como entidade de oposição; como organização de protesto de algum rasgo errático do Senhor Presidente da República, Fradique de Menezes; e/ou, como instância de selecção dos candidatos ao poder na nossa terra, a isso restringindo a sua funcionalidade na nossa dinâmica partidária.

Se, neste caso concreto, a decisão de formação de uma ampla coligação para enfrentar um adversário forte, e com meios, como o Fradique de Menezes, parece-nos acertada; todavia, o método, contexto temporal, a forma de actuação dos dois partidos, o processo de selecção do candidato concorrente pela coligação e o expediente político (pouco transparente) utilizado, podem contribuir para que a soma das forças, no contexto da coligação, seja insuficiente para esta batalha. Parece-nos claro que os interesses e múltiplas pressões externas, identificadas, em torno das quais se prepara e desenvolve qualquer decisão política na nossa terra, se fizeram sentir, mais uma vez, neste processo eleitoral. De um lado teremos, Angola, China, alguns sectores institucionais e empresariais da Nigéria e de alguns países da região; e, do outro, Taiwan, Nigéria e outros países da nossa sub-região. Temos festa rija até ao final do mês!

 A.C 

publicado por adelino às 19:25
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. A Morte de Chico Paleio

. Bons e Maus Chefes de Coz...

. A Ilusão do Poder de Sãm ...

. O Festim Carnicento dos “...

. O Presunto dos Bufados

. Branco mas Pouco Transpar...

. O Curandeiro, o Médico e ...

. Um Príncipe Quase-Perfeit...

. Mexer no Sistema para Mud...

. Os Aprendizes de Feiticei...

.arquivos

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Fevereiro 2010

. Agosto 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Janeiro 2008

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Janeiro 2005

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds