Domingo, 25 de Fevereiro de 2007

O Liceu Nacional

Há qualquer coisa de insólito, profundo, devastador e silencioso que nos atrai para o abismo de forma irremediável. Devagar, devagarinho, mas de forma sustentável e sem vergonha, vamos saltando o muro, para o lado de lá, onde não existe o mínimo de decência, moral e integridade que regula o comportamento dos dirigentes políticos e de alguma elite local. Uma vez do lado de lá, do muro, tudo será permitido fazer, ou realizar, politicamente, reduzindo à pó, o respeito pelos outros, a dignidade pessoal, o esforço, o mérito, o rigor, a correcção, o empenho e, no fundo, tudo de bom que o processo de construção da civilização nos “ofereceu”.

Poucas almas ainda resistem do lado de cá do muro e, todos os dias, regista-se um engarrafamento popular e pré-disposição para saltar para o lado de lá.

Neste cortejo assombroso nem o Liceu Nacional, instituição de grande prestígio para várias gerações de Santomenses, escapou aos chamamentos dos malfeitores. Ficou-se a saber, nesta semana, que na referida instituição, Liceu Nacional, foi descoberta uma fraude, de proporções gigantescas, de falsificações de habilitações literárias.

Não é preciso ser um génio para saber o resultado deste escândalo, que, contribuirá para danificar, de forma irremediável, a imagem da maior instituição pedagógica do país. Só nos faltava esta traição dolorosa: que este ícone intemporal, de gerações de Santomenses, fosse chamado para a lama, apedrejado, vilipendiado e cobardemente sacrificado.

Foi no Liceu Nacional que fiz todas as coisas que todos os adolescentes e jovens de diversas gerações fizeram. Foi lá que: admirei e conquistei as primeiras namoradas; fiz e solidifiquei amizades; dei e levei porrada; pisquei o olho ao mundo com os meus incessantes sonhos de adolescente; vasculhei segredos de colegas e professores; nadei, sem descansar, nas contradições de correntes políticas e ideológicas; aprendi a cumprir e respeitar regras; fui repreendido e castigado por infringir regras e regulamentos; plantei uma árvore; escrevi cartas de amor; balancei-me, semanalmente, entre África Negra, Úntues, Leonenses ou Sangazusa; descobri Newton; levei umas pequenas bofetadas de Albert Einstein; apalpei metáforas; impliquei-me com um Inglês e escapei-me pela tangente, entre equações e viagens às civilizações Egípcias, Mesopotâmias e Gregas, de companhias desagradáveis que interrompessem a realização do meu maior sonho.

Conseguiram transformar tudo isto num pesadelo! Recuso-me passar para o lado de lá.

A.C

publicado por adelino às 23:13
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. A Morte de Chico Paleio

. Bons e Maus Chefes de Coz...

. A Ilusão do Poder de Sãm ...

. O Festim Carnicento dos “...

. O Presunto dos Bufados

. Branco mas Pouco Transpar...

. O Curandeiro, o Médico e ...

. Um Príncipe Quase-Perfeit...

. Mexer no Sistema para Mud...

. Os Aprendizes de Feiticei...

.arquivos

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Fevereiro 2010

. Agosto 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Janeiro 2008

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Janeiro 2005

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds