Quarta-feira, 27 de Abril de 2005

Parasitas

Lianas_in_old_gap.jpg
Autor da foto: Francis E. Putz



Sobem sempre e continuam a subir, utilizando os outros como seu suporte de apoio. São autênticos parasitas que, não dispondo de apoio ou legitimidade própria, agarram-se aos outros desalmadamente, e, iniciam uma caminhada ao copado, com taxas de crescimento em altura, comprimento e abastança, que, faz corar de inveja qualquer Brutamontes. São muito flexíveis e normalmente não escolhem os hospedeiros, apresentando-se munidos de artilharia e astúcia suficientes que lhes permitem uma grande diversidade de mecanismos e argumentos para estarem sempre a subir. É difícil travá-los no percurso desta vontade. Extremamente difícil!! Apresentam-se normalmente com grandes níveis de diversidade e agressividade, próximo do equador, e, o processo da sua remoção ou combate é dificultado por esta mesma diversidade. Não há gente que não rogue pragas às criaturas em causa ou que não recorra ao nosso “curandeirismo caseiro” para minimizar os níveis de infestação provocados. Muitos indivíduos de algumas espécies em causa, são tão agressivos no seu parasitismo endémico, que, chegam a se entrelaçar ao redor dos seus hospedeiros, sufocando-os paulatinamente e provocando com isso, a morte sem dor dos mesmos. E eles riem… riem e voltam a rir, lá do cimo do copado onde se instalaram, como deuses da natureza. Uma vez ai, precisam de mais suportes, quanto mais altos melhores, estabelecendo ligações perigosas e faustosas com outros copados. Se os hospedeiros caírem, eles estão condenados a caírem com os mesmos.
Todos sabemos que, os hospedeiros carregados das fanáticas e parasitárias criaturas, crescem mais lentamente e produzem menos sementes e frutos saudáveis, do que, os hospedeiros desprovidos das mesmas. No entanto, ninguém faz nada ou recomenda a remoção destas assassinas parasitas.
Qual é a relação que tudo isto tem com a política ou sociedade Sãotomense?? Nenhuma!! Pois como viram na foto acima, estava a dissertar ou escrever sobre as LIANAS…



UM POEMA COM LÁGRIMAS



Há-de nascer de novo o micondó:
exacto, perfeito
no centro do quintal.
À meia-noite
quando as bruxas emigrarem
para ocás imaginários
e o cucucu piar pela última vez
na junção dos caminhos.
Sobre as cinzas contra o vento
bailarão ao amanhecer
ervas e fetos e uma flor de sangue
cabaças de milho hão-de florir nas pupilas dos velhos
e não mais sonharão as crianças
com gatos pretos e águas turvas
porque a força do marapião
terá voltado para espantar o mal.
Lianas abraçarão na curva do rio
o queixume dos mortos
quando a primeira mulher
lavar as tranças no leito ressuscitado.

Reabitaremos a casa
nossa intacta morada.



Conceição Deus Lima – S.Tomé e Príncipe




publicado por adelino às 22:28
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. A Morte de Chico Paleio

. Bons e Maus Chefes de Coz...

. A Ilusão do Poder de Sãm ...

. O Festim Carnicento dos “...

. O Presunto dos Bufados

. Branco mas Pouco Transpar...

. O Curandeiro, o Médico e ...

. Um Príncipe Quase-Perfeit...

. Mexer no Sistema para Mud...

. Os Aprendizes de Feiticei...

.arquivos

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Fevereiro 2010

. Agosto 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Janeiro 2008

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Janeiro 2005

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds